sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Florbela

"Ampara-me, ensina-me a crer, a ter confiança, diz a verdade mas a verdade que seja boa que me não faça chorar como esta verdade que eu trago dentro de mim como uma chaga a doer sempre."

terça-feira, 8 de julho de 2014

incolor ou the flying dream


Essencialmente, representava tudo que eu não precisava ter e ilogicamente tinha. Eram as olheiras pela manhã, o torpor diurno, os ápices de euforia e a posterior depressão visceral. Os dias contados e os que sequer notei passar, tudo arrastado e arremessado violentamente em algum lugar que nunca visitarei. Eu via minha vida toda passar ali, borrada, tingida com as cores que eu nunca gostei. Nada era parecido com o que eu esperava, nada era nem de longe a melhor parte da minha vida que pensei conseguir naquele instante, aquele instante. Quando as memórias ou as idealizações cessam e percebe que era aquele quadro que perseguia por toda a existência, como se não houvesse dia antes ou depois daquele momento. Como se todas as demais pessoas fossem desimportantes e dispensáveis. Analiticamente percebo que só eu fui dispensável a mim, foi muita perda por um rastro tão irreal.

imagem: richard wilkinson - the flying dream

domingo, 15 de dezembro de 2013

da beleza inventada

As cicatrizes viraram estrelas que contávamos todas as noites, felizes. Quantas mais surgiam, mais estrelado o céu ficava e tínhamos a sensação de que estava, afinal, ficando muito bonito com toda aquela luz nova.
Os espaços entre os dedos andavam avermelhados e os nós roxos de socos. Tanta cor, a da olheira, a do sangue no chão do banheiro, a do quebrado do nariz, era tudo muito lindo, superava o próprio arco-íris. Quando achávamos que havíamos completado a palheta, surgíamos com uma cor nova, um esverdeado na pele, por que não?
Os outros não viam muito, preto e branco, talvez. Não entendiam, não achavam graça no mundinho que construíamos para nós. Fazíamos sempre o mesmo esperando um resultado diferente. Era isso, um ciclo, um círculo ante a quadradeza das outras pessoas. Não tínhamos vértices, nem sanidade alguma.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

exploding

(anti)terapia explodingdog:



terça-feira, 18 de junho de 2013

passado.

Quando estou ao seu lado, não me reconheço, é como se fosse outra pessoa, um alguém único - eu me vejo de fora, como um terceiro corpo. Não sei se gosto dessa outra pessoa ou mesmo se o que ela ostenta é calma ou tristeza. Não sei dizer se o ar fica mais pesado ou sou eu que o peso. Não sei se isso é distorção ou conforto. Não sei sequer se me arrependo ou me encontro.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

domingo, 26 de maio de 2013

não-sutil

Eu tenho uma mente confusa, sempre tive. Minhas explanações mais lógicas soam inverossímeis ou humorísticas. Não me resta muito a não ser acompanhar o ritmo das risadas, mesmo que internamente haja um turbilhão incessante de pensamentos que insistem para se explicar ou contestar os desentendimentos. Não seria possível, minha sensibilidade soa a insensibilidade ou quase sempre não aparenta existir. Tudo um mais do mesmo, frases repetidas, pessoas similares que posteriormente destoam, um quase sempre... Poucas pessoas me enxergam além do que eu mesma posso ver devido à minha miopia existencial e fisiológica. Há pouco firmava a convicção de que pessoas míopes não são confiáveis, são distorcidas, tendem a distorcer; eu mesma enxerguei manchas por amargos e longos anos. São borrões que carrego na memória, ciente de que os quadros e linhas que defini nunca possuíram aquelas formas e contornos. Daí surge a angustia de saber ter vivido em um mundo que só eu havia criado e compreendido, surge uma solidão tardia e uma impressão de que todos os outros frames poderiam ter sido cortados, é uma ciência retesada e uma velhice precoce. Nem os abusos que sofri dos outros que não me viam doem mais que os abusos que me impus por não me ver. Sinto falta de um longo espelho no quarto, ele teria me feito bem. Eu não desejaria a você, que me compreende, um presente como o meu, uma felicidade desacreditada em decorrência de uma vida pretérita irreal e uma realização que sempre vou temer ser desvaliada. As frases cortadas e agressivas que nos cercam carregam um bem-querer inexplicável. A todo o tempo conto cegamente com a sua percepção das sutilezas e levezas; não se prenda aos borrões, aos "ous", às fúrias e às decepções súbitas. O marasmo acalenta melhor as almas como as nossas e o tédio nos é necessário, porque tem gente demais para comer nossos sonhos.

Imagem: Luke Chueh - Contact Lens