segunda-feira, 21 de setembro de 2009

la coïncidence.

A primeira coisa que fiz foi seguir seus passos com o olhar.

Queria aprender como andava, para onde e por quê.

Estava consciente da barreira que se transpõe quando duas pessoas, estranhas à vida uma da outra, se aproximam. Porque a simples conversa muda um mundo.

Antes nunca havíamos nos falado e eu sabia que queria essa conversa há muito tempo, mas permanecia inerte e sisuda. Era minha forma de fingir que aquele momento não me era necessário, e hoje, estou pronta para assumir que era, que a inércia representava a espera do ponto certo, insanamente aquele era o instante em que a barreira cedia.

E foi assim que ignorei os sons ao redor e milhares de pessoas. Foi assim que repousei ao seu redor e comecei um diálogo insólito do qual lembro vagamente de uma ou outra palavra dita. Mas o que gravei com perfeição foi o sorriso, ainda enxergo o momento em que levantou a cabeça e sorriu para mim. Com uma certeza absurda, posso dizer que depois disso o mundo já havia mudado.

8 comentários:

Veneno Antimonotonia disse...

que bonito, tia!
:)

Marcos Pedro disse...

Que lindo...

Isso tudo foi em Paris?
XD

Lisa Alves disse...

momentos, instantes, segundos. Eles falam tudo! Adoravel tua escrita!

Guilherme Ribeiro disse...

Lembrou-me um pouco a insuperável Lispector...
Au revoir,
GR.

PS.: Avez-vous connu Paris? Félicitations!

Talita do Vale disse...

Muito bom! =)

F I L O S O F I S T A disse...

muito bom o texto, hein?!

em meio ao domingo

encontrei.

G.H

Lídia Borges disse...

Momentos únicos que podem mudar uma vida... Acredito muito neles!

L.B.

Dry Neres disse...

Palavras mais que apaixonantes...


Gostei muito xD


beijo.