segunda-feira, 24 de novembro de 2008

devaneio I

da leveza que me salta aos olhos
metade é voce, puro e simples
a outra é o que me resta
depois que alivia
os meus sorrisos retesados.

pois assim que penso:
haveria mágoa se eu não conhecesse
como é estar feliz por saber-te?
haveria o medo a perder?
imagem: kurt halsey - "a pause for thought"

10 comentários:

Paulo disse...

lindo devaneio o seu! que sentimento lindo é o amor, não? Coloca a racionalidade do lado e transtorna nosso espírito com devaneios. Acho que se há sinônimo para o amor, eis o devaneio.

VFS disse...

"DUAS VIDAS

Temos duas vidas.

A vida com que aprendemos
e a que levamos, depois disso.

Nenhuma das duas é una.

Mas alternativamente paralelas.

Uma, é crua.
A outra, evolução."

Todo o passo é um salto no desconhecido e no imenso das possibilidades

Podemos ter duas vidas, mas só temos um coração.

e só o coração é o universo do amor!

Obrigado por estas palavras tocantes!

Jamila disse...

hummmmmmmm

João Silva disse...

Gosto do jeito que você escreve, usando as palavras com simplicidade, como uma forma de sentir e expressar emoções. Para mim, essa é a forma mais difícil e mais bela de se expressar, pois para achar as palavras certas para os nossos sentimentos, nossos desejos, como diz nosso amigo amigo Paulo, para dizer aquilo que racionalidade alguma acha, é preciso inteligência e sensibilidade.

Ganhastes um frequentador assíduo, continue assim.

João Silva disse...

Quase esqueci. Os desenhos são lindos também!

Ed Marciano disse...

o que eu tirei desse texto... Foi que amar traz riscos. Quando amamos e somos amados ... Uau, é ótimo, realmente. Mas sempre vai ter aquele medo da perda. E a gente não sabe o que seria melhor. Tá junto da pessoa ou nunca ter conhecido para não ter que passar por esse medo (eu pessoalmente, gosto de enfrentar meus medos...)
Ps- Guida minha querida (rimou! ) eu nao sei mexer nesse blog direito nao. pra por foto foi uma mola. mas acho que meu irmao colocou esse negocio de seguidores. Já que quando abro o painel aparece o seu blog e as atualizaçoes. beijos

oddie disse...

poxa ingrid, que bom que achou meu blog bizarro, gosto do absurdo pois ele retira um pouco a hipocrisia do nosso cotidiano....achei seu blog muito lindo, porem um pouco melancolico...mas o que tenho a ver com isso, se não foi de melancolia que morreu os grandes poetas ?
infelizmente não tenho o autor da imagem para lhe enviar, nem como ela veio parar no blog....
é isso...abraços menina

Anna Duzzi disse...

amo kust halsey, absurdamente!

tenho tatuagens, quadros em casa, impressões no painel de fotos, capas de cadernos da faculdade, camisas, layout do blog... rs!

e quando vêm os desenhos acompanhados de poemas e palavras tão bonitas, gosto ainda mais!

:*

meus instantes e momentos disse...

belo texto. Foi muito bom vir conhecer teu blog.
Parabens .
Gostei daqui,
Maurizio

Guilherme Ribeiro disse...

A primeira estrofe é simplesmente magnífica: madura, de uma beleza profunda e simples dificílima de conseguir. O verso parece que salta de sua alma, querendo ser expulso e apresentar-se ao mundo imediatamente. Voltei a esse poema várias vezes, mas só agora tive coragem de escrever algo.
Au revoir,
Guilherme.