segunda-feira, 17 de novembro de 2008

a fase da dor






Houve um tempo em que havia desistido de ter um blog, até, simplesmente, sentir vontade de voltar a ter. Durante o tempo de recessão literária, escrevia em um documento do Word, amontoava textos quando, e se, tivesse vontade.

Há alguns meses, quando reabri esse documento, possivelmente quando decidi voltar a escrever e publicar, percebi uma certa lógica na catarse, ciclos como o deste post. Decidi nomeá-los de forma óbvia, sem muita frescura. Essa é a fase da queda, da perda, da dor, como cada um preferir chamar.
---------x---------

doeu-me intensamente
não ser mais nada.

não foi vazio como pensei que seria
o ato, de anular-me, perfurou-me:
dolorido e áspero.

e essa ausência sofrida
me incomoda mais
do que qualquer dor que me causara.
---------x---------

Ele continuava sentado no mesmo banco. Imaginando o próximo passo. Alheio à realidade de que primeiro teria que se levantar, olhar para frente. Não podia definir como dor aquele sentimento. Era algo mais, era algo mais concreto. Algo que parecia correr pelas veias, pesado e cansativo. Sentia um cansaço na alma. Sentia vontade de virar pedra naquele banco e nunca mais avistar qualquer indício de vida e cotidiano. Queria virar cimento.
---------x---------

Certo dia acordei e decidi de imediato que arrancaria aquele sentimento de mim. E cada esquecimento era como arrancar a carne junto. Queria explicar a intensidade desse sentimento. Como sentia um pedaço meu sendo arrancado, e a dor e a angústia que isso me trazia. É algo além das minhas capacidades. Eu queria morrer e não morria. É doloroso se sentir incapaz até de morrer. Então esperava que outras pessoas morressem e ninguém morria. Queria ter amnésia, não tive. E os nacos de carne ainda sendo levados. Era uma sensação estranha de quase vida. Havia um distanciamento entre mim e o mundo. As pessoas eram plásticas ou eu era. Alguém estava em um aquário. E ainda a carne dilacerada. Não foi uma boa época para viver.
---------x---------

Não era dor o que buscava.
Esmagava-lhe o peito esperar.
Doía. Doía muito. Não lembrava que doía tanto.
E assim de súbito tivera a certeza
de que não era aquela dor o que procurava.
Queria a paz dos dias aparentemente vazios.
A calma das camas ocupadas por corpos cansados
Inertes por instantes glamorosos.
Buscava aqueles braços que lhe acalentariam.
Só isso.
---------x---------

Arrancaram as lembranças
Esqueço-me aos poucos
do que
esqueci

E essa falta da sua parte
me apavora.

Onde foi que te
deixei
E onde foi que me perdi?

7 comentários:

Isa Bentes disse...

uma surra de dor.
e dor.
dor.


doeu?

Raf.marcial disse...

adorei teu blog...
tambem de desisti inumeras vzes do meu blog...
ja deletei milhares de blogs mas tudo bemagora tocomum que vai ser definitivo[pelo menos é o que eu acho]
parabens =]

Poquiviqui disse...

acho que todo mundo que tem um blog jah desistiu de um anterior neh? comigo tbm aconteceu haha!

vc fala de uma forma tao profunda, fico impressionado!! sempre me identifico, vou add vc no seguidores pra nao perder mais nenhum texto!!

alias! esse post me lembrou um poema, que vc deve conhecer:
um homem com uma dor
é muito mais elegante
caminha assim de lado
como se chegasse atrasado
andasse mais adiante
carrega o peso da dor
como se portasse medalhas
uma coroa um milhão de dólares
ou coisa que os valha
ópios édens analgésicos
não me toquem nessa dor
ela é tudo que me sobra
sofrer, vai ser minha última obra

leminski!

Jamila disse...

Hey, sweetheart! Quanta coisa! E ainda tem Kurt Halsey!
Ando com muita saudade.
Ver essas coisinhas tristes suas dói em mim também...
Porque elegeu essa fase para colocar agora? Espero que não seja um replay da época passando agora que você está longe...
Beijinho.
Se cuida.

VFS disse...

"entre o criador e a obra, impera o silêncio e a dor ..."

tudo será lembrança
e, eventualmente, pó.

Cynthia Andrade disse...

Achei teu blog e gostei muito.
Amei seus textos! muito bons! =)

E eu tbm, sempre começava um blog e sempre desistia... hehehe

Beijos

Geraldo Filho disse...

bom, o caetano começa uma musica assim...

Não me venha falar
Na malícia de toda mulher
Cada um sabe a dor
E a delícia
De ser o que é...

Catártico ou não é maravilhoso,
às vezes algum tempo acumulando textos e experiências são extremamente interessantes... meus parabéns