sábado, 9 de agosto de 2008

multiplicidade


primeiro, disseram que não tinha alma.
depois lhe atribuíram outras tantas
que roubou-lhe a calma
ver outros tantos rostos
que com o tempo esquecia.

e as opiniões divergiam
sobre o modo de encará-las
de fugir das dores que ela mesma criava
nos tempos de aquários e letargias.

então os tempos mudaram,
despediu-se: das almas que incomodavam
e preferiu as que melhor lhe serviam.

2 comentários:

HERCÍLIA FERNANDES disse...

Olá Ingrid,

Disse Adélia Prado:

"Mulher é ser desdobrável: Eu sou!".

Gostei de seu espaço! Sua escrita mostra a sensibilidade de suas percepções e análises: Parabéns!

Obrigada pela visita.

Abraços,
H.F.

Fernando Sampaio disse...

Bem vinda à blogosfera! Gostei muito daqui.
Beijos
fernando