terça-feira, 7 de julho de 2009

do indescritível

1. Os instantes são simples. Esse excesso de simplicidade em diversos momentos toma-me de angústia e de uma reviravolta física traduzida numa náusea constante. Essa limitação ao olhar o papel e não conseguir dizer mesmo com uma exatidão mínima o que deveria ser dito e nem mesmo fazer entender os sentidos, isto provoca angústia e a náusea, claro.

2. Seria exagerado classificar o que me ataca de demência? Porque sofro dessa deficiência racional e não enxergo nada que esteja a ponto de contê-la. É um cansaço de mim que transmito às outras pessoas, e quando me dou conta disso, a existência da demência me é dolorida e indiferente.

3. Gosto de chutar pedras e dizer-lhes que está tudo bem. Mesmo com a ausência das palavras que deveriam me aparecer. Digo-lhes da angústia e da náusea porque gostaria de dizer-lhes do resto que não se mostra em público, o resto não gosta da luz, nem dos palcos.

4 comentários:

Ana Gabi disse...

"...gostaria de dizer-lhes do resto que não se mostra em público, o resto não gosta da luz, nem dos palcos."
Esse fragmento me lembrou do Traduzir-se, de Ferreira Gullar:

"Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?"

Bem, não sei se vai te ajudar, mas pelo visto essa angústia é comum, né?!

Rosele disse...

Lindo! Lindo! Adorei!
Somos todos companheiros dessa mesma angústia, não?

Agora estou com ume pequeno e seleto grupo de seguidores lá no blog e te convido a fazer parte dele. Assim, estaremos sempre por dentro das atualizações de nossos blogs.

Até a próxima!
Beijos,
Rosele
http://galaxiaminha.blogspot.com

Daniel Oliveira(DD Comedy) disse...

Vc consegue transformar sua "angústia" em algo muito especial,que envolve inteiramente poesia e ‘paixão,lembre se disso.


Bjuss e Parabéns pelo texto continue escrevendo vc tem algo muito poderoso nas mãos, suas palavras. ^^

W. Fernandes disse...

Deciframos-nos, realmente, é uma arte. E depois de "abertos", encontrar em dicionários os sentimentos é outra fase 'cruel'!
MAs até que gostamos da brincadeira, né!
parabéns pelo texto!
bjão!